Association Culturelle pour les Etudes Portugaises

Um novo desfecho para "O Conde Jano"

mardi 26 juin 2012

Nesta composição, pediu-se aos alunos que imaginassem um desfecho para o conto “O Conde Jano” de Mário de Carvalho.

Este conto fala-nos de uma Infanta caprichosa que quer à viva força casar com o Conde Jano que, segundo ela, lhe prometera casamento quando eram crianças. O problema é que o Conde já é casado e pai de filhos.

Depois de o rei ter saído do quarto, a Infanta ficou sozinha a pensar :

— Se eu não posso ter o conde Jano, ninguém mais poderá tê-lo.

A infanta decidiu então fazer como se nada se tivesse passado. Pouco depois preparou-se e finalmente saiu do seu quarto e veio até à sala de estar onde estava o seu pai.

— Já entendi tudo, pai. Se eu gosto mesmo do conde Jano, devo querer a sua felicidade porque ele gosta da sua família.

—Vejo, filha, que compreendeste. Fico feliz.

Depois desta boa notícia o rei decidiu organizar uma festa para a sua filha para dali a alguns dias.

No dia seguinte de manhã, ao acordar, a Infanta vestiu-se e foi tomar o pequeno-almoço com o pai. Assim que teve oportunidade, perguntou-lhe :

—Pai, posso convidar o conde Jano para a minha festa ?

— Não me parece uma boa ideia — respondeu ele.

— É o meu melhor amigo —insistiu ela.

— Pronto, vou convidá-lo — cedeu o rei.

— Pai, posso ir dar um passeio na floresta ? Há muito tempo que não saio.

— Vai, mas não voltes muito tarde. Até logo.

A Infanta foi então até à floresta à procura de um casebre. Este casebre pertencia a uma velha senhora a quem chamavam bruxa. Diziam que ela preparava venenos. Assim que a encontrou, a Infanta perguntou-lhe :

— Olá, minha senhora, venho vê-la pois queria um veneno. Tem ?

— Sim, tenho um, que pode ser posto numa bebida.

— É mesmo isso que eu quero.

A infanta voltou para casa com o veneno e escondeu-o muito bem.

No dia seguinte era o dia da festa. A Infanta levantou-se e foi passear a cavalo. Depois piquenicou e foi à igreja. Ao fim da tarde, decidiu voltar para casa. Quando chegou, preparou-se e desceu para a sua festa. Toda gente estava a conversar e a dançar e ela aproveitou para meter discretamente o veneno no copo do conde Jano. Ela queria matá-lo. Se não era para ela, ela também não queria que ele fosse para mais ninguém.

O que se passou depois foi terrível. A Infanta pousou o copo. O rei pouco depois aproximou-se. Enganou-se, pegou no copo do Conde e bebeu. Caiu imediatamente no chão e morreu. A infanta, ao ver o pai morto, pôs-se a gritar e a chorar. Ela tinha remorsos do que tinha feito. Nisto, pegou no copo e bebeu o que restava do veneno. Também ela caiu no chão e morreu.

Toda a gente se lembra ainda desse dia e o conde Jano pensa sempre na Infanta que queria matá-lo a ele e que afinal acabou por se matar a ela e ao pai.

Noémie Alves Rodrigues 4èmeB

Répondre à cet article

ACEP: 47, rue de Naples, 75008 Paris — Tel: 01 43 87 52 91 — Fax: 01 43 87 37 57 | Se déconnecter |